Os melhores vinhos especialmente para si - Entregamos na Europa⎮Ásia⎮Brasil⎮USA

Chateau Lafleur 2008 - Wine Broker Company

Chateau Lafleur 2008

Preço normal
€935,00
Preço de saldo
€935,00
Envio calculado no check-out.
Quantidade deve ser 1 ou mais

🚚  Entrega garantida e com seguro em seu país {flag} {country}

 

📦 Compre hoje para receber até {shipping_date}

Região: Pomerol, Bordeaux, França
Uvas: Cabernet Franc/Merlot
Garrafa: 750 ml
Safra: 2008

RP: 94
WS: 91

Em conjunto com o Pétrus, é um titã de Pomerol, bem como um dos vinhos mais prodigiosos do Bordéus. É mais raro do que o Pétrus e muitas vezes tão caro.

Eu sempre tive uma ligação pessoal a esta minúscula vinha de Pomerol. Em meados da década de 1970, quando comecei a provar os vinhos do Lafleur, não encontrei nada escrito sobre eles. No entanto, no meu pequeno grupo de degustação frequentemente encontramos o vinho a ser tão convincente quanto o Pétrus. Fiz a minha primeira visita a Lafleur, em 1978, falando muito pouco de francês e encontrei as duas proprietárias idosas, já falecidas, as irmãs Thérèse e Marie Robin, decrépitas, mas mesmo assim ambas eram absolutamente encantadoras. O Château Lafleur era, e permanece até hoje, mais um celeiro que uma vinícola. Apesar da idade avançada das duas solteironas, elas andavam de bicicleta para o Le Gay, o centro oficial de recepção, tanto para o Lafleur como para o Le Gay, nas minhas visitas no final de 1970. Elas foram, sem dúvida, divertindo-se com o meu tamanho, referindo-se a mim como Monsieur Le Taureau (Touro). Eu provavelmente parecia ser um pouco grande demais ao entrar na pequena adega, onde os barris, bem como um bando de patos, galinhas e coelhos, foram alojados. Sempre fiquei espantado com vinhos de tão grande extração e de caráter absolutamente alucinante poderiam ser produzida em condições tão imundas.

Hoje Lafleur é tanto detido e gerido pela sobrinha e sobrinho, Sylvie e Jacques Guinaudeau. Eles assumiram a responsabilidade de iniciar com a colheita de 1985 e adquiriram-no em 2002. Uma de suas primeiras decisões foi recusar qualquer garrafa de Lafleur 1987. Ao mesmo tempo que foi introduzido um segundo vinho, Les Pensées de Lafleur. Isso é bastante notável, dada a pequena produção desta micro-propriedade. As adegas permanecem as mesmas, mas agora estão desprovidos de patos, galinhas e coelhos, bem como do esterco que deixaram para trás. Além disso, Lafleur agora beneficia de pelo menos 50% ou mais de barricas novas de carvalho para cada colheita.

É o melhor vinho? Certamente Lafleur continua a ser um dos poucos vinhos de Pomerol que é consistentemente capaz de lutar, e em alguns casos superar o Pétrus. Até o falecido Jean-Pierre Moueix uma vez admitiu-me isso, e eu tive a sorte de ter tido Lafleur e Pétrus lado a lado vezes suficientes para saber que o primeiro é um vinho tão extraordinário como o Pétrus. Em muitas colheitas, do ponto de vista aromático, é mais complexo do que Pétrus, sem dúvida por causa da velha videira Cabernet Franc que a vinha possui.

Grande parte da grandeza de Lafleur está no solo, que é profundo, num leito enriquecido com ferro e um pouco de areia, mas também caracterizado por depósitos extremamente importantes de fósforo e potássio. Ao longo dos anos os rendimentos foram minúsculos, refletindo o lema do pai das irmãs Robin: "Qualidade supera a quantidade."

As antigas colheitas de Lafleur são lendárias, mas a história da propriedade não foi feita sem resultados mistos. O 1971 e 1970 deveria ter sido melhor e, mais recentemente, o 1981 falhou pela presença de aromas fecais. No entanto, o vinho já está a ser examinado por um enólogo, e mesmo que as vinhas velhas (não houve replantio em Lafleur após a geada de 1956) estejam a ter que ser arrancadas, a idade média é ainda impressionante. Desde 1982 (o 1982 e 1983 foram feitas por Christian Moueix e o seu enólogo ultraconservador Jean-Claude Berrouet) o Lafleur tornou-se menos exótico e talvez mais influenciado por enólogos modernos e pela sua obsessão por vinhos que estão dentro de certos parâmetros técnicos. No entanto, Lafleur, medido pelos mais elevados padrões de Bordéus, embora agora seja produzido com parâmetros técnicos adequados, ainda continua a ser um dos mais distintos, mais exóticos e melhores vinhos, não só de Pomerol, mas do mundo.